Fazer parte desta grande Família Falcão Peregrino

Por Fabricio Rezende

Dois mil e dezoito, ano de muitas reviravoltas na minha vida. Recém-concretizado um ano de relacionamento, minha namorada me abriu um mundo desconhecido, mas que internamente já queria gostar: o escotismo.

Ela já era escoteira e voltou após anos afastada pelos estudos e trabalho. Já, eu, nunca havia vivenciado nada parecido, nem tinha feito nada relacionado ao voluntariado, mas sempre via desde criança grupos escoteiros e imaginava o quão mágico deveria ser participar de uma família tão unida e comprometida com o próximo.

No Indaba daquele ano, conheci mais de perto cada integrante. Foi um fim de semana muito legal, conhecer pessoas é divertido, mas ao mesmo tempo queria que me conhecessem também, pois queria muito fazer parte da família, e para isso era necessário mais de mim, atitude e companheirismo. E assim sigo pouco a pouco, quero fazer por merecer esta acolhida.

Comecei como curioso nos encontros de sábado, de certo ainda sou, tenho curiosidade em entender cada atividade, saber o porquê dos chefes fazerem isso ou aquilo, como o administrativo funciona, como acontece a organização da cozinha e das festas etc. Mas quando vi já estava mentalmente elaborando pautas e matérias, registrando imagens por livre e espontânea vontade. Jornalista que sou, acabei dentro da Comunicação de um dos maiores grupos escoteiros de São Paulo.

Que privilégio! Escoteiro nunca fui, mas presenciar diariamente (não só aos sábados) o quanto cada pessoa se dedica ao bem e à educação dos jovens me fez pensar que estou no lugar certo, o lugar de fazer o meu melhor possível sempre!

Tenho orgulho de fazer parte desta família, ajudar no que precisar, e agradeço todos os dias a acolhida de cada um que faz parte desta enorme e linda #familiafalcao.

EQUIPE DE COMUNICAÇÃO – Coordenação e edição de texto: Gláucia Viola; Apoio e relações públicas: Júlia Matsuda; Preparação e revisão de texto: Daniela Marini; Arte e texto: Fabricio Rezende.

Fechado para comentários.