Somos eternos aprendizes com olhar de criança

Por Gláucia Viola

Desde os idos dos anos 1980 que tenho um apreço pelo Movimento Escoteiro. Conheci, lá pelos 7 anos de idade, um grupo que fazia atividades dentro do clube que minha família frequentava. Meus pais, maravilhosos mas de educação conservadora, nunca me deixaram participar. Sendo assim, nutri um encanto platônico, pois cresci com a sensação de que era coisa para criança. 

Muitos anos depois, já mãe, vi uma turma de lobinhos fazendo atividade externa próximo à sede. Fui me informar com um dos chefes, que me orientou a fazer a inscrição no Grupo Escoteiro Falcão Peregrino. Aguardei uma vaga para minha filha por quase um ano. Ingressamos no grupo de forma tímida mas muito felizes pela oportunidade. Lembro que no dia em que Luna Gaia fez a promessa de lobinha e ganhou o lenço, a emoção foi tamanha que eu chorei compulsivamente como criança…

Aos poucos me aventurei em algumas atividades de cooperação. Na primeira cantina de que participei, a reação primária foi relatar minha total falta de habilidade na cozinha. Experimentei, então, voltar a ser criança aprendendo uma coisa novíssima na minha vida: ralar cenouras!!! Fiz com a dedicação de uma aprendiz acompanhando as gargalhadas de outros pais de apoio. Cozinhar nunca foi tão divertido. Meu lado criança se manifestou de novo e aquela foi uma grande tarde de aprendizado delicioso para mim.

Chegou o convite para um acantô. Lá fui eu com a mesma falta de habilidade, mas com muita vontade de ajudar. Me senti a pessoa mais importante do mundo por ser responsável por cortar os legumes. E olha como o treinamento com as cenouras foi valioso aqui (rsrsrsrsrs). E identifiquei mais uma lição: de que, no trabalho em equipe, nossa tarefa, por menor que seja, quando bem realizada, faz toda a diferença. Minha criança interior se encheu de orgulho por aprender mais uma vez.  

Alguns acantôs, cantinas e cinco anos depois, essa mãe quarentona entendeu que o Movimento é mesmo coisa de criança. Dessa criança que nunca morre dentro da gente e que está sempre aprendendo algo com brilho nos olhos. Com um ralador nas mãos ou apenas na observação, colecionei (e coleciono) inúmeros aprendizados…

E então posso dizer que cresci mais uma vez! Afinal, o Falcão ensinou-me a ser uma mãe melhor, pois aprendi a dar mais autonomia para minha filha. Aprendi a incentivar sua capacidade nas tarefas mais desafiadoras. Aprendi a estimular suas conquistas e acolher as derrotas para que ela possa lidar de maneira simples com as duas situações. Aprendi a admirar seu desenvolvimento como cidadã. Aprendi a confiar nas suas decisões. Aprendi a respeitar sua visão crítica. Aprendi a escutar seus argumentos, mesmo os que não foram possíveis aceitar.

E continuo crescendo como ser humano, pois aprendi a me encantar com a participação colaborativa. Aprendi a apreciar o envolvimento e dedicação do Grupo. Aprendi a admirar o compartilhar de emoções entre todos. Aprendi a acreditar em um mundo cada vez melhor!

E agora estou aprendendo a traduzir isso em forma de comuniCORAÇÃO! Um desafio e tanto, mas que abracei com a mesma força com que recebo os abraços de acolhimento.

O objetivo é mostrar como o coração desta grade família bate fora do corpo de cada Falcão.

E assim, crescermos juntos sem nunca deixarmos de ser crianças! Eternos aprendizes!  

Gratíssima por mais esse prazeroso desafio!

EQUIPE DE COMUNICAÇÃO – Coordenação e edição de texto: Gláucia Viola; Apoio e relações públicas: Júlia Matsuda; Preparação e revisão de texto: Daniela Marini; Arte e texto: Fabricio Rezende.

Fechado para comentários.


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0